X

Lucília Fraga

Lucília iniciou sua formação artística no Rio de Janeiro, como aluna de Henrique Bernadelli, que lhe recomendou continuar seus estudos com Pedro Alexandrino Borges, em São Paulo. Radicou-se definitivamente na capital paulista, onde foi professora de desenho na Escola Padre Anchieta e ainda no curso particular que manteve com as irmãs, além de atuar em júris e na organização de mostras. Sua primeira exposição individual data de 1929. Neste mesmo ano, expõe no Salão Nacional de Belas-Artes, no Rio de Janeiro, merecendo a Menção Honrosa de Primeiro Grau por sua tela Rosas. No Salão Nacional de 1930, foi agraciada com a Medalha de Prata.

Entre as décadas de 1930 e 1950, participou de diversas mostras coletivas em São Paulo e no Rio de Janeiro, sendo profundamente assídua nos Salões Paulistas de Belas-Artes e nos Salões Nacionais de Belas-Artes.

Nos anos de plena atividade, Lucília Fraga não procurou se alinhar às correntes modernistas. Optou por manter-se fiel a uma certa tradição artística, de matrizes acadêmicas, que foi reatualizada por ela e por outros artistas na primeira metade do século XX. Apesar de essa escolha significar pouca atenção por parte da historiografia da arte, mais voltada ao estudo dos artistas de orientação modernista, isso não significou que ela não tenha desfrutado de relativo sucesso. Foi uma artista que se fez presente nas casas de colecionadores, tais como de J. M. Azevedo Marques, cuja coleção com mais de 130 telas foi doada pela família à Pinacoteca do Estado de São Paulo em 1949.

Ana Paula Cavalcanti Simioni
Exposição Mulheres Artistas: nos salões e em toda parte
[Arte132 Galeria | de 04 de junho a 30 de julho de 2022]

[1] Sem título [Penteadeira com vasos de flores] | Óleo sobre eucatex | 100 x 130 cm | [s.d.]

[2] Sem título [Rosas] | Óleo sobre eucatex | 33 x 47 cm | [s.d.]

[3] Sem título  | Óleo sobre eucatex | 45 x 56,5 cm | [s.d.]